Allez gol!

15 jul

Uma final de Copa com presentes de grego. Dois croatas e um francês.

Os croatas, circunstanciais: um gol contra (viram, brasileiros, até em final de Copa tem gol contra, essa infelicidade que faz parte do futebol) e um pênalti (feito por Perisic, autor do golaço croata, num momento em que pensou estar jogando vôlei).

O francês, de pura arrogância, após o goleiro Lloris desprezar o adversário. Agora vai ter essa mácula na carreira, mesmo tendo sido campeão. Bem feito.

Os croatas jogaram, desde o primeiro minuto da partida, como se fosse o último. Mostraram uma vontade imensa de vencer. Mas não tiveram como reverter o placar.

Os franceses esbanjaram objetividade.

Uma final com direito à invasão de campo, ao primeiro gol contra da história em final de Copa do Mundo e à intervenção do VAR (talvez a maior estrela do Mundial).

Uma final em que a eficiência fez diferença. Não adianta jogar melhor, tem que fazer gol.

Sim, no futebol, vossa majestade é o gol!

por Gilze Bara

Anúncios

Em final emocionante, França bate Croácia e é bicampeã mundial

15 jul

No Estádio Lujniki, em Moscou, a França se tornou bicampeã do mundo após vencer a Croácia por 4×2 em uma partida emocionante. Apesar do resultado, a partida foi equilibrada, com posse de bola croata na maior parte do jogo. Mandzukic, Griezmann, Perisic, Pogba e Mbappé foram responsáveis pelos 6 gols da partida.

A festa antes da partida contou com a presença de Will Smith e até de Ronaldinho Gaúcho tocando um atabaque no show de encerramento. A taça foi entregue pelo capitão alemão em 2014, Philipp Lahm, e a modelo russa Natalia Vodianova.

A França iniciou a partida recuada e sofrendo a pressão do ataque croata. O meia Perisic iniciou muito bem a partida, muito bem posicionado em diversos setores. A França, entretanto, aproveitou a oportunidade em uma falta bem cobrada por Griezmann e acabou marcando, num gol contra de Mandzukic. Confirmando sua boa partida, Perisic empatou com um golaço. O nome do jogo até então, fez um pênalti ao colocar a mão na bola na área francesa. Griezmann converteu numa bela cobrança. A promessa francesa Kylian Mbappé não fez um grande primeiro tempo, pois foi ofuscado na marcação croata.

Na segunda etapa, a Croácia novamente iniciou superior, mas a França soube achar espaços no contra ataque e Pogbá fez um golaço da entrada da área. O caçula da copa finalmente apareceu em seguida, Mbappé fez o quarto da França. Numa falha grotesca do goleiro Lloris, Mandzukic aproveitou para marcar o segundo da Croácia.

Ficha técnica

França: H. Lloris, B. Pavard, R. Varane, S. Umtiti, L. Hernandéz (CARTÃO AMARELO), N. Kanté, P. Pogba (GOL), K. Mbappé (GOL), A. Griezmann (GOL), B. Matuidi, O. Giroud, S. N’Zonzi, C. Tolisso, N. Fékir
Técnico: Didier Deschamps

Croácia: D. Subasic, S. Vrsaljko, D. Lovren, D. Vida, L. Strinic, I. Rakitic, M. Brozovic, A. Rebic, L. Modric, I. Perisic (GOL), M. Mandzukic (GOL CONTRA) e (GOL), M. Pjaca
Técnico: Zlatko Dalic

por Alice Couto, Gabriele Flor e Bernardo Ribeiro

IMAGENS: FIFA

https://www.fifa.com/worldcup/matches/match/300331552/#match-photos

https://www.fifa.com/worldcup/matches/match/300331552/#match-liveblog

https://www.fifa.com/worldcup/matches/match/300331552/#match-photos

https://www.fifa.com/worldcup/matches/match/300331552/#match-photos

Copa literária #64: a poção francesa

15 jul

Você ainda se pergunta como Mbappé consegue correr tanto com a bola no pé? A resposta quem tem é Barometrix, o druida de Goscinny e Uderzo que é capaz de criar a famosa poção que torna Asterix um dos mais célebres heróis dos quadrinhos mundiais. Tá achando superlativo demais? Então me diga que outro herói das HQs tem um parque de diversões temático? Sim, o Parque do Asterix fica nas vizinhanças de Paris, onde é mais adequado que ele tenha uma morada e não um rato animado.

O primeiro livro foi lançado em 1959 e oito anos depois, Asterix, o gaulês já tinha uma versão em desenho animado. Diante dos problemas enfrentados contra o Império Romano, que quer anexar as terras gaulesas ao seu território, Asterix toma um gole da poção mágica e distribui porrada a três por quatro acompanhado do amigo Obelix, que não precisa do suquinho: caiu num caldeirão de poção quando era pequeno e traz no sangue sua força.

Duas semelhanças aproximam Asterix do personagem belga Tintim: o gaulês também tem um cachorro, o fiel Ideiafix, talvez o mais sensato personagem do trio; e também passeia por várias mídias, tornando-se uma franquia que foi até o cinema em live-action, com Gérard Depardieu e Roberto Benigni no elenco.

Nesta final da Copa do Mundo da Rússia, depois de tantas literaturas em campo, uma boa dose da mágica gaulesa pode dar força para que a leitura vá além do último jogo.

 

por Gustavo Burla, direto do Hupokhondría

A possível vitória francesa

15 jul

Depois de 20 anos, França e Croácia se enfrentam novamente. Na Copa de 1998, as duas seleções se enfrentaram na semifinal com a Croácia abrindo o placar, mas logo os franceses reagiram e viraram para 2 a 1. Assim, se classificaram para a final, vencendo o Brasil e conseguindo levantar seu primeiro troféu do Mundial. Desta vez, os times se reencontrarão para disputar a grande final neste domingo (15), às 12h de Brasília.

França conquista seu primeiro título em 1998 em seu próprio país. (Fonte: goal.com/Getty Images)

Os franceses, em sua terceira final, buscam seu segundo título na competição. Com um bom ataque, uma boa defesa e a maneira com que se adequa no decorrer do jogo, a seleção azul conta com seu talentoso trio Griezmann, Giroud e Mbappé. A equipe de Deschamps ainda entra em campo com a confiança elevada depois de vencer a nova geração belga, quando conseguiram a classificação para a final.

Comemoração dos franceses ao passarem para a final. (Foto: Giuseppe Cacace/AFP)

por Alice Couto e Gabriele Nery

Quanto mais difícil, melhor

14 jul

Após disputar três prorrogações e duas disputas de pênaltis, a Croácia chegou à tão sonhada final. Não dá para negar que o time esteja cansado. O treinador, Zlatko Dalic, em entrevista disse que o time está cansado, mas que confia na vitória. O treinador ainda afirmou que quanto mais difícil, melhor. Se somar o tempo de cada prorrogação, a Croácia terá disputado oito jogos. Isso foi motivo para o treinador exaltar a vontade dos atletas.

“Nós pegamos o caminho mais difícil. Somos o único time da Copa que vai jogar oito jogos. Isso é muito difícil. Mas me parece que quanto mais difíceis as circunstâncias, melhor nós jogamos futebol. Claro que a França tem um dia a mais, mas nós vamos descansar e nos recuperar a tempo. Não há desculpas, isso é uma final de Copa do Mundo. Temos que dar tudo, estar prontos, estar preparados. É uma chance de uma vida. Tem sido difícil para nós, mas vamos achar a força e a motivação.”

Outro ponto abordado pelo treinador foi a possível falta de respeito pelo lado dos jogadores ingleses, após a disputa das semifinais. Dalic afirmou que sentiu falta de respeito pelo lados do time inglês e da mídia, mas jogaram pelos fãs.

“Nós respeitamos os rivais e esperamos isso de volta. Talvez não tiveram o respeito conosco que nós merecemos, o time inglês e a mídia. Mas isso é futebol, isso é o esporte. Talvez esse elemento tenha existido. Mas nós estávamos motivados para além disso. Nós queríamos ir para a final e jogar por nossos fãs.”

Dalic assumiu a seleção 48 horas antes de estrear em 2017 e chegou à final da Copa. (Fonte: Reuters)


Um dos grandes destaques da seleção croata, Ivan Rakitic, poderia não estar ajudando o time na Copa. Isso porque Rakitic nasceu na Suíça, mas como a família toda é da Croácia, ele resolveu disputar jogos oficiais pelo time da camisa quadriculada, como os croatas são conhecidos. Esse fato virou motivo de orgulho para o atleta.

“Acho que não há sentimento melhor do que ser croata. Quando eu decidi jogar pela Croácia, eu tinha sonhos. Eu queria jogar uma final de um grande campeonato a cada dois anos. E chegar aqui é a realização de um sonho” – afirmou o atleta, que ainda disse que trocaria a carreira pelo título mundial.

Rakitic, que nasceu na Suíça, escolheu defender o país dos familiares. (Fonte: Reuters)

Toucas como a da imagem abaixo ficaram famosas nas arquibancadas durante os jogos da Croácia e viraram uma tendência entre os torcedores. A moda se dá pelo fato do país ser uma potência mundial no pólo aquático e a touca é um dos principais equipamentos do esporte.

”Moda” já existia desde o último Mundial. (Fonte: Carl Recine)

Mesmo que o futebol não seja o principal esporte do país, os atletas terão o apoio de todos os croatas e de muitos amantes do futebol, espalhados pelo mundo. Presente em todos os jogos da seleção e certamente estará na grande final, a presidenta da Croácia, Kolinda Grabar-Kitarovic, virou símbolo da seleção e se mostrou ser muito “pé-quente”. A mandatária foi muito elogiada na internet por não usar dinheiro público para suas viagens na Rússia. Kolinda pega voos comerciais, pagos do próprio bolso, e ainda desconta de seu salário os dias não trabalhados.

Sempre de camisa quadriculada, Kolinda esteve presente em todos os jogos da seleção na Copa. (Fonte: Gretty Imagens)

Após a equipe garantir vaga nas semifinais, Kolinda foi até o vestiário e fez questão de cumprimentar um por um. (Fonte: FIFA)


A Croácia promete tirar forças de onde for para disputar a final contra a França e buscar o título inédito. A grande arma da seleção francesa é a velocidade, principalmente com MBappé, que é o principal destaque da seleção. Os croatas vão precisar muito dos craques Rakitic e Modric, para segurarem o jogo no meio de campo e evitar os ataques velozes de MBappé. As duas equipes se enfrentam domingo, dia 15 de julho, ao meio-dia no horário de Brasília, no Luzhniki Stadium, em Moscou.

por Otávio Augusto

 

Nem tudo foi decepção: a “nova geração belga” conquista o terceiro lugar do Mundial e faz história

14 jul

Com gols de Meunier e Hazard, geração de ouro belga se consagra ao garantir o terceiro lugar no Mundial, superando o quarto lugar de 1986. No primeiro tempo, Meunier apareceu feito centroavante, logo aos 3 minutos, e aproveitou jogada que envolveu extremos como o goleiro Courtois e o centroavante Lukaku. No cruzamento de Chadli, completou de canela para o gol. A partida já deixava em vantagem a equipe que parecia mais convicta na conquista do terceiro lugar. Mesmo sem grande brilho de seus craques, Hazard e De Bruyne, os belgas entravam na área inglesa com mais perigo – Alderweireld quase ampliou ao pegar sobra. A Inglaterra chegou a ter alguns espaços e Kane, artilheiro da Copa, teve chance de empatar, mas chutou mal.

Estatísticas do primeiro tempo entre Bélgica e Inglaterra.

No segundo tempo, a Bélgica seguiu controlando a partida. A inglaterra até tentou impor um ritmo diante da equipe belga, mas sem sucesso. Kane e Dier perderam boas chances de gols. No lance mais perigoso, de Dier, ele faz bela tabela com Rashford e sai na cara do goleiro, dando um toque por cima do Courtois. Alderweireld tira em cima da linha e salva a Bélgica. Quado a Inglaterra estava melhor em campo, aos 36, o talento individual de De Bruyne e Hazard fazem valer o título de grandes jogadores e Hazard amplia para a seleção belga. Terceiro lugar praticamente definido.

Hazard comemora o gol marcado na partida. O segundo da Bélgica.

Mudanças

A Bélgica teve apenas duas mudanças em relação ao time que jogou a semifinal contra a França: entraram Meunier (que estava suspenso) e Tielemans, saíram Dembelé e Fellaini (e depois Chadli, ainda no primeiro tempo, se lesionou, dando lugar a Vermaelen). A Inglaterra mexeu bem mais: saíram Young, Walker, Henderson, Dele Alli e Lingard, entraram Rose, Jones, Dier, Delph e Loftus-Cheek, resultando em sua formação mais jovem na história das Copas, com média de idade de 25 anos e 174 dias.

por Franklin Ribeiro

Copa literária #63: belgas no país dos soviéticos

14 jul

É do belga Hergé um dos mais famosos heróis dos quadrinhos. Sem super-poderes, capa ou cueca por cima da calça, Tintim é um jovem repórter que tem algumas das armas mais poderosas para enfrentar grandes aventuras: inteligência e senso de humor.

A história Tintim no país dos sovietes foi escrita em 1929 (mas só chegou às livrarias em 1973) e marca o nascimento desse personagem que ganhou uma moeda especial de 10 euros em 2004, comemorativa dos 75 anos.

Ao contrário dos outros livros com o personagem, o primeiro é o único encontrado ainda editado em preto e branco, mas já mostra o traço de “linha clara” característico do autor. E claro, Milu, o cão fiel companheiro, já estava lá.

Adaptado para desenhos animados e por comutação no longa de Steven Spielberg e Peter Jackson, Tintim rodou o mundo não apenas em suas histórias, mas por várias mídias e até chegou à copa, num desenho feito pelo cartunista paquistanês Patrick Chappatte antes do confronto entre França e Bélgica. Do outro lado do campo, Asterix, tema do próximo Copa Literária.

Se a Bélgica esteve na União Soviética em 1929 e voltou agora, em 2018, você pode ver este penúltimo jogo da copa e depois buscar Tintim para continuar por lá.

 

por Gustavo Burla, direto do Hupokhondría

%d blogueiros gostam disto: